Saturday, February 06, 2021

A reportagem de Fernando Assis Pacheco para o Diário de Lisboa


"Dezenas de entendidos assistiram ontem à noite [dia 15 de Dezembro de 1971] ao entremez 'Um editor na banheira', representado por Fernando Ribeiro de Melo (Edições Afrodite) no seu rés-do-chão da Rua do Cabo, a dois passos de Santa Isabel. Quatro obras novas foram pretexto para a mais líquida conferência de imprensa de que temos memória.

Porque pode ser Melo mas sobretudo porque é Ribeiro, o editor Fernando Ribeiro de Melo deu ontem à noite mais uma prova da sua compatibilidade com os líquidos ao fazer de dentro de uma banheira o lançamento de novas obras. Quando lhe perguntaram se ele sempre era o Dali português, respondeu naturalmente:
'Cada povo tem o Dali que merece, embora alguns Dalis (é o meu caso) não tenham o povo que merecem. Mas enfim...'
Neste 'enfim' ia uma banheira de sugestões (...) O editor entra na banheira, senta-se (leva calções pretos para obviar à pergunta 'vestiu calções?'), acende um cigarro, deita as primeiras cinzas num bacio (este branco, por contraste) e perora assim:
'Meus senhores, com a vossa colaboração, espero a eficiência de uma comunicação ao público sobre estas obras que o público deve ler!'
Sabe-a toda, e sabe que a sabe toda (...)
A cena passou-se ontem, à noite, como dizíamos, numa banheira. Para sermos precisos, a banheira estava (e está) na Rua do Cabo, nº 10, rés do chão esquerdo, à direita de quem sobe. Quanto aos presentes, eram cerca de quatro dezenas, mas incluíram representantes de quase todos os órgãos de Informação da capital e até mesmo gente da Rádio, do Cinema e da Televisão. Se fosse no S. Carlos de há cem anos teria sido um inapagável 'sucesso de binóculo'.
Algumas palavras acerca do editor: é de facto editor (edita livros), não sobressai pela estatura (relativamente meã), usa bigodes de ponta retorcida, anda pelos trinta, trinta e pico. Perde dinheiro, ganha dinheiro. Agora está interessado em ganhar, de onde a conferência de Imprensa na banheira com permissão de traje de passeio: era o que rezava o convite. Os livros são giros, anotamos o primeiro volume da História Trágico-Marítima de Bernardo Gomes de Brito (...)
Dois diabos ensonados misturavam-se com a assistência, enquanto duas beldades do conhecido editor (Palola e Eugénia) iam servindo e retirando o alvo bacio de louça. Num requinte de malvadez publicitária Ribeiro de Melo pintara 'slogans' editoriais sobre a cútis das raparigas.
'Sinto que há entre nós muita falta de alegria', comenta ele (...)
Fui comido pela máquina fotográfica, casquina um verso de Mário Cesariny de Vasconcelos. A propósito, estava presente o Cesariny. E estava o Cruzeiro Seixas. E o Júlio Moreira. Entre as muitas outras pessoas que deixaram cartões ou de algum modo se fizeram representar anotámos os nomes dos srs. António Palouro, António José Forte, Vítor da Silva Tavares, José Vaz Pereira, Cunha Telles, António Damião, Nuno Júdice, Manuel Gusmão, Sam, João Paulo Guerra e Fernando Ribeiro de Melo. Que estava a ler (ler mais acima) dentro de uma Grande banheira circular forrada a preceito pelo artista plástico João Vieira. De calções pretos"

(Fernando Assis Pacheco, "Diário de Lisboa", 16/12/1971, pp.1-2.

da página de facebook de Pedro Piedade Marques

Saturday, May 30, 2020

A Filosofia na Alcova – Marquês de Sade

edição de 1976
Tradução de Manuel João Gomes
Com uma declaração a propósito, de vários autores
Com uma advertência cultura, de vários autores
Com uma cronologia sadiana

Em posfácio: A 1.ª edição portuguesa ou Sade e o Tribunal Plenário de Lisboa – documentos para uma reflexão exemplar sobre política-cultura-moral-ditadura

Capa e ilustrações de Martim Avilez

Edição e plano gráfico de e direitos reservados de Edições Afrodite




Nova Recolha de Provérbios Portugueses e Outros Lugares Comuns 3.ª edição

edição de novembro de 1988
Coordenação e nota introdutória de Manuel João Gomes
Prefácio do Prof. Moisés Espírito Santo
Capa e Ilustrações de Henrique Manuel
Edição e Plano Gráfico de Edições Afrodite
Direitos Reservados de F. Ribeiro de Mello / Ed. Afrodite

Colecção Antologia


2.ª Edição
1.ª Edição 

Nova Recolha de Provérbios Portugueses e Outros Lugares Comuns 2.ª edição

edição de dezembro de 1986
Coordenação e nota introdutória de Manuel João Gomes
Prefácio do Prof. Moisés Espírito Santo
Capa e Ilustrações de Henrique Manuel
Edição e Plano Gráfico de Edições Afrodite
Direitos Reservados de F. Ribeiro de Mello / Ed. Afrodite

Colecção Antologia


3.ª edição
1.ª edição 

Antologia de Poesia Latina Erótica e Satírica

                                                     edição de abril de 1975
Grupo de Docentes da Faculdade de Letras de Lisboa

Seleção, Tradução e Notas de Custódio Magueijo, J. Lourenço de Carvalho e José António Campos


Prefácio de José Martins Garcia


Ilustrações de Eduardo Batarda, José Lopez-Werner, Edgar Perdigão e Olga Pianola


Capa de Henrique Manuel 


Edição e plano gráfico de Edições Afrodite

Com poemas de Carmina Priapeia, Catulo, Tibulo e Sulpícia, Propércio, Horácio, Ovídeo, Marcial, Juvenal e Reposiano.
 

Com notas críticas para cada um dos autores.








Grande Livro de S. Cipriano ou Os Tesouros do Feiticeiro – S. Cipriano, 4.ª Edição

edição de 1978
Grande Livro de São Cipriano ou Tesouros do Feiticeiro
4.ª edição

Ilustrações de Martim Avilez

Comentários de:
Padre A. Miranda Santos – Magia e Formas Litúrgicas
António Alçada Baptista – O Diabo à Solta
António José Forte – Um Pobre Diabo
Padre Avelino Rodrigues - Anomalia e (ou) Anomia
Fernando Calixto – À Laia de Implicações Criminais

Partes que compõem o volume:
Engrimanços de São Cipriano ou Prodígios do Diabo
Os Tesouros da Galiza
Espíritos Diabólicos que Infestam as Casas com Estrondos e Remédios para os evitar
Poderes Ocultos do Ódio e do Amor
Buenadicha
Alquimia
A Feiticeira de Évora ou História da Sempre Noiva

Plano, arranjo e controle gráfico de José Marques de Abreu
Edições Afrodite / Fernando Ribeiro de Mello

Tuesday, May 26, 2020

Grande Livro de São Cipriano ou Tesouros do Feiticeiro

                                            edição de 1971

Grande Livro de São Cipriano ou Tesouros do Feiticeiro

Ilustrações de Martim Avilez

Comentários de:
Padre A. Miranda Santos – Magia e Formas Litúrgicas
António Alçada Baptista – O Diabo à Solta
António José Forte – Um Pobre Diabo
Padre Avelino Rodrigues - Anomalia e (ou) Anomia
Fernando Calixto – À Laia de Implicações Criminais

Partes que compõem o volume:
Engrimanços de São Cipriano ou Prodígios do Diabo
Os Tesouros da Galiza
Espíritos Diabólicos que Infestam as Casas com Estrondos e Remédios para os evitar
Poderes Ocultos do Ódio e do Amor
Buenadicha
Alquimia
A Feiticeira de Évora ou História da Sempre Noiva

Plano, arranjo e controle gráfico de José Marques de Abreu
Edições Afrodite / Fernando Ribeiro de Mello








Saturday, May 16, 2020

O Sexo na Moderna Ficção Científica

                             edição de novembro de 1976
O Sexo na Moderna Ficção Científica
Antologia de Autores Franceses
 

Seleção, notas e posfácio de Isabel Meireles
Traduções de Luisa Neto Jorge, Manuel João Gomes e Manuel Joaquim Grandra
Ilustrações de Nuno Amorim e Pedro
Edição e arranjo gráfico de Fernando Ribeiro de Mello / Edições Afrodite

Coleção Antologia

 

Autores:
Alain Dorémieux
Nathalie Ch. Hennerberg
Jaqcueline H. Osterrath
Michel Demuth
Christine Renard e Claude F. Cheinisse
Gérard Klein
Serge Nigon
Daniel Walther
Jea-Pierre Andrevon
Pierre Christin
Michel Jeury
Bernard Mathon






Thursday, May 14, 2020

A Massagem Sensual - Hans Parker

                                   edição de setembro de 1984
Consultores técnicos: Alfref Bloom e Sheila Draccel
Fotografias de Hans Parker
Arranjo gráfico de Edições Afrodite
Coleção Corpo Solar
130 páginas







Sunday, May 10, 2020

Ilustrações de Cruzeiro Seixas para o livro Do General ao Cabo mais Ocidental

Aqui ficam algumas das páginas e ilustrações de Cruzeiro Seixas para o livro Do General ao Cabo mais Ocidental, de Álvaro Guerra

                                               Contra capa




Tuesday, May 05, 2020

Do General ao Cabo mais Ocidental, de Álvaro Guerra

edição de abril de 1976

Formato álbum A4
Coleção Extra-Coleção 
Concepção e Direção Gráfica do Editor

Na badana:
Síntese de um momento histórico e de uma vivência, pessoal mas exemplarmente transmissível, este texto de Álvaro Guerra sugere caminhos originais na hesitante literatura portuguesa contemporânea.
Talvez mais do que nunca, Álvaro Guerra é autor de um combate. O seu «textovoda» surge das arcas da memória, com denúncias e esperanças, recriando-se na ostentação da decadência provinciana de um império artesanal e numa libertação ornamentada com cravos pouco eficientes.
Depois de «Os Mastins» (1967), «O Disfarce» (1969), «A Lebre» (1970), «Memória» (1971) e « O Capitão Nemo e Eu» (1973), este «Do General ao cabo mais ocidental» assume criticamente um tempo de viragem histórica oriunda de um passado distante e próximo, de uma epopeia das descobertas» e de uma triste guerra colonial.
Este texto é, também, uma interrogação perante o mundo português formulada segundo uma perspectiva humanística que o autor exprime, por exemplo, na seguinte passagem: «a história é este risco e quem o risca nem sempre cabe na ardósia primária de somar anos com desenganos e errar verbos num futuro tão condicional».
«Do general ao cabo mais ocidental» cabe um esboço da nossa cultura e da nossa história para cuja compreensão e contribui, de um modo vincadamente pessoal, o texto que se segue. Textovida com a intervenção de seis ilustrações, uma figura de capa, uma ocultação em contra-capa e uma marca de água propositada de Cruzeiro Seixas, originais, respetivamente, de 72, 53, 66 e 76.